Sexta-feira, 22 de Junho de 2007

EDP e BCP II

O rearranjo que a EDP fez da sua posição no BCP é simplesmente explicado pelos limites que existem à exposição de activos na regulamentação sobre fundos de pensões e que são supervisionados pelo Instituto de Seguros de Portugal. A valorização dos títulos BCP elevou essa exposição para valores superiores a 10% do fundo.
Publicado por Helena Garrido às 19:08
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 21 de Junho de 2007

EDP e BCP

Porque terá a EDP comprado 0,6% do capital do BCP que está no fundo de pensões dos seus trabalhadores? A aquisição foi dia 21 de Junho a 3,95 euros (valor do fecho do mercado, menos 0,25% que no dia anterior).

 

Com esta operação a EDP continua a controlar 4,35% do BCP mas 2,94% directamente e 1,41% através do fundo de pensões como se pode ler aqui.

Temas: , , ,
Publicado por Helena Garrido às 23:48
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 1 de Junho de 2007

BCP muda estratégia

O BCP abandona a sua estratégia de expnsão por aquisições que marcou mais de 20 anos da sua história. O presidente do BCP, Paulo Teixeira Pinto assim o diz.

 

"Crescimento orgânico", sinónimo de crescer por conquista de mercado e não através da compra de outras instituições, parece uma impossibilidade num país como Portugal, onde o mercado bancário está maduro. O BES apostou nessa estratégia desde sempre e pouco cresceu se compararmos o seu percurso com o do BCP.

 

Fica a pergunta: Para quem vão os recursos que o BCP tinha para aplicar na sua expansão?

Temas: ,
Publicado por Helena Garrido às 20:08
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 29 de Maio de 2007

Tempos difíceis no BCP

O V de vitória de Joe Berardo posando para as câmaras de televisão à saída da assembleia geral de accionistas do Millennium BCP é... enfim... fiquemos por "surrealista". Uma vitória ao lado de Paulo Teixeira Pinto. O mesmo Joe Berardo que com um ar distinto faz um anúncio ao American Express via BCP.

 

Já tínhamos antes visto Joe Berardo ser abraçado por manifestantes da CGTP à entrada da assembleia geral da PT exactamente por integrar o grupo que impediu a desblindagem dos estatutos que poderia viabilizar a OPA da Sonae. A favor da protecção das empresas na PT, contra no BCP... Qualquer político que tivesse esta incoerência de comportamento seria violentamente atacado.

 

Os banqueiros e líderes de bancos querem-se discretos, guardam o nosso dinheiro... Paulo Teixeira Pinto não se pode sentir lá muito bem com aquele V de vitória. Tempos muito complicados para o BCP sintetizados naquela imagem de Joe Berardo.

Temas: ,
Publicado por Helena Garrido às 19:48
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 28 de Maio de 2007

Vitórias e derrotas no BCP

Jorge Jardim Gonçalves fundador do maior banco privado português enfrentou hoje a sua primeira derrota pública. Retirou a sua proposta ao perceber que a assembleia geral ia votar contra. O tempo dirá se perdeu apenas uma batalha ou a guerra. E o que fará Paulo Teixeira Pinto com esta vitória após duas derrotas, na Roménia e na OPA sobre o BPI.

 

Os accionistas acabaram por votar, ainda que indirectamente, contra o reforço da protecção do BCP a ofertas de compra hostis. O tempo revelará o efeito desta decisão tomada numa altura em que o Millennium BCP está mais exposto a aquisições hostis num ambiente europeu marcado por uma forte onda de concentrações.

 

Venceu a ilusão de ganhos fáceis de curto prazo e uma visão de mercado em que a especulação pode ser destruidora de valor. Mensagens protagonizadas por Joe Berardo.

 

A "ditadura dos analistas" como uma vez chamou a este tempo Rui Vilar e a que junto a "ditadura das mensagens simples" justificam que se questione o papel perverso que tem, em determinadas circunstâncias, o mercado de capitais.

 

O sucesso dos "private equity" - fundos privados que têm adquirido empresas cotadas em bolsa -  tem sido a reacção visível à miopia que afecta as bolsas e as impede de antecipar que as estratégias que criam mais valor nem sempre são as que dão mais dinheiro a curto prazo.

Publicado por Helena Garrido às 23:34
Link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 27 de Maio de 2007

O BCP e Jardim Gonçalves

Uma das propostas que vai estar segunda-feira à votação dos accionistas do Millennium BCP é o reforço da blindagem dos estatutos de dois terços para 75%. A iniciativa está aqui e é de Jorge Jardim Gonçalves. O que não é de estranhar. Está em linha com o que foi a sua actuação, bem sucedida, desde a fundação do BCP. E ajusta-se à actual fase do BCP tentando protegê-lo da violenta onda de concentrações bancárias que se está de novo a viver na Europa.

 

Olhar para o interesse dos accionistas que querem investimentos a longo prazo e não para ganhos de curto prazo foi sempre a grande orientação de Jardim Gonçalves, sem a qual tenho dúvidas que o BCP tivesse chegado onde está hoje. Isso custou-lhe alguns conflitos, nomeadamente com accionistas fundadores do BCP como foi Américo Amorim.

 

Proteger o banco de ofertas ou accionistas hostis tem sido outra das linhas de actuação de Jardim Gonçalves. Passar de 66% para 75% não protege o BCP de uma Oferta Pública de Aquisição hostil mas obriga o oferente a gastar mais dinheiro correndo mesmo assim um elevado risco de fracasso.

 

Claro que os estatutos mais blindados têm custos para quem olha para o curto prazo: ganha-se menos dinheiro com a especulação sobre títulos do BCP. E as acções do BCP valem menos que as de um banco com iguais características mas sem limites ao exercício do direito de voto. É natural que investidores puramente financeiros como Joe Berardo estejam contra a iniciativa de Jardim Gonçalves.

 

O BCP está hoje mais exposto a uma OPA hostil que antes do lançamento da Oferta sobre o BPI. Mas não é apenas esse facto que encontra racionalidade na iniciativa de Jardim Gonçalves. A Europa está a ser abalada por uma violenta onda de concentrações no sector financeiro.

 

No dia 20 de Maio dois bancos italianos, o Unicredit e o Capitalia anunciaram a sua fusão num negócio de 22 mil milhões de euros e criando assim uma das maiores instituições financeiras de Itália. Todos conhecemos bem a actuação proteccionista da Itália - que não é excepção no Mercado dito Único.

 

Ao mesmo tempo assistimos a um cerrado ataque ao holandês ABN Amro. A oferta amigável de que foi alvo por parte do Barclays - avaliada em 61,9 mil milhões de euros- poderá esta semana ter uma rival através da oferta, desta vez hostil, de um consórcio liderado pelo Royal Bank of Scotland e no qual está o Santander e o Fortis (accionista do BCP com 4,94%). E que pretendem repartir o ABN por si.

 

Esta era de facto a pior altura para o BCP ficar vulnerável a OPA's. E com este quadro compreende-se o que faz ainda correr Jardim Gonçalves. 

Temas: ,
Publicado por Helena Garrido às 21:18
Link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos

Contacto

helena_garrido@sapo.pt

Entradas recentes

EDP e BCP II

EDP e BCP

BCP muda estratégia

Tempos difíceis no BCP

Vitórias e derrotas no BC...

O BCP e Jardim Gonçalves

Temas

aeroporto

automóvel

banca

bce

bcp

conjuntura

desemprego

desigualdade

edp

educação

emprego

energia

flexisegurança

governo

inflação

media

ota

saúde

semana prevista

união europeia

todas as tags

Pesquisar

 

subscrever feeds