Segunda-feira, 25 de Junho de 2007

Sarkozy e a vantagem de ser de direita

Nicolas Sarkozy tem sido uma voz critica do BCE memso depois de ter ganho as eleições. Nestas afirmações a sua preocupação centra-se na valorização do euro:

 

 Je demande qu'on fasse avec l'euro ce que font les Américains avec le dollar, les Chinois avec le yuan, les Japonais avec le yen, les Anglais avec la livre", à savoir rééquilibrer les forces en faveur des productions faites dans la zone euro, a déclaré Nicolas Sarkozy.

"Comment nos industriels peuvent-ils être encore compétitifs si le dollar se dévalue de 34% par rapport à l'euro ? Est-ce que nous avons fait la deuxième monnaie du monde pour ne pas s'en servir ?", s'est-il interrogé.

Pode ser lido aqui

 

O euro tem-se valorizado significativamente face ao dólar e esta tendência tem condições para se manter - o BCE continua a dar sinais de que vai aumentar as taxas de juro e a Reserva Federal parece estar a dizer que as vai baixar. E afinal há muito que se diz que o dólar deveria cair, tendo como referência o défice externo dos EUA.

 

Vamos ver se nesta revisão dos tratados se entra nos domínios do estatuto do BCE. Sarkozy tem a vantagem de ser de direita, suspeito, por isso, de ser amigo do mercado e favorável à defesa da inflação baixa.Tem mais margem para criticar o BCE que a esquerda. Mas de criticar a mudar a sregras do jogo vai um grande passo... O passo de os alemães perderem o medo de terem trocado o seu marco por uma moeda fraca. A seguir com atenção.

Publicado por Helena Garrido às 00:01
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 6 de Junho de 2007

A reacção das bolsas ao BCE

As bolsas caíram. E se os mercados têm sempre razão, a decisão do BCE pode não ter sido a mais adequada. Os analistas dizem que os investidores estão a "fugir" das acções por recearem que a subida das taxas na área do euro sem perspectiva de descida nos Estados Unidos prejudique os resultados das empresas e a onda de compras em que se vive. Ou seja, o BCE está a abrandar a economia.

 

Mas será que se pode dizer isso? A animação bolsista já durava há algum tempo, quatro anos talvez. Em Portugal viveu-se ou vive-se tempos de grande euforia com a conversa sobre acções a massificar-se.

 

Há sempre a possibilidade de o BCE ter decidido subir as taxas de juro não pelas ameaças de pressões inflacionistas - onde estão elas? - mas para fazer o que diz que não faz.

 

Um hipótese é estar a tentar moderar a euforia que se vive no mercado de capitais - o tal debate que marcou tanto o fim da bolha das "dotcom", se a política de taxas d ejuro deve ou não levar em consideração o preço dos activos financeiros.

 

A outra hipótese é a de estar a gerir a queda do dólar.

 

Falar de pressões inflacionistas como a razão da subida das taxas é que me parece um pouco exagerado. As condições monetárias da área do euro estão hoje mais restritivas que em Março, a última subida das taxas de juro, exactamente devido à apreciação do euro.

 

Esperemos que o BCE não esteja de novo a cometer o erro de 2001 quando considerou que a área do euro era imune ao abrandamento da economia norte-americana - uma afirmação de Wim Duisenberg. Afinal não era... E tiveram depois de descer rapidamente as taxas de juro.

Publicado por Helena Garrido às 22:52
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

E o BCE subiu a taxa de juro

Como se esperava o BCE subiu hoje a sua principal taxa de referência de 3,75% para 4%, a oitava desde Dezembro de 2005 e atingindo-se o valor mais alto desde Setembro de 2001.

 

A decisão foi acompanhada pela divulgação de projecções macroeconómicas para a área do euro marginalmente mais optimistas para o crescimento - 2,5 previa em Março, agora aponta para 2,6% - e com perspectivas de inflação também ligeiramente mais altas - de 1,8% para 2%.

 

 

No enquadramento aponta para o elevado crecsimento que se vive no mundo que está de facto a viver tempos de grande prosperidade mas para os lados do Pacífico - excepção feita para o Japão. O crescimento estimado para o PIB mundial fora da área do euro é de 5,8% este ano, face a 6% em 2006. Mas a economia norte-americana e japonesa vão abrandar.

Publicado por Helena Garrido às 22:18
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 5 de Junho de 2007

O BCE e o ministro das Finanças

O Banco Central Europeu prepara-se para subir de novo a sua taxa de juro de referência, a oitava desde Dezembro de 2005. O ministro das Finanças Fernando Teixeira dos Santos afirma que é não é uma boa notícia para as famílias portuguesas. Diria que também não é para as empresas, os bancos e o Estado.

 

Se as contas públicas estivessem arrumadas, o Governo poderia estar neste momento a aliviar o peso da subida dos juros com reduções nos impostos e mais investimento, uma via bem keynesiana que se ajustava a estes tempos. Em vez disso a carga fiscal vai aumentando e o Estado aperta o cinto. E pode ameaçar a retoma.

 

Assim aprendemos na pele que o pequeno país a viver em moeda única enfrenta regras implacáveis. Quem não as cumpre não consegue crescer.

Publicado por Helena Garrido às 15:33
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Contacto

helena_garrido@sapo.pt

Entradas recentes

Sarkozy e a vantagem de s...

A reacção das bolsas ao B...

E o BCE subiu a taxa de j...

O BCE e o ministro das Fi...

Temas

aeroporto

automóvel

banca

bce

bcp

conjuntura

desemprego

desigualdade

edp

educação

emprego

energia

flexisegurança

governo

inflação

media

ota

saúde

semana prevista

união europeia

todas as tags

Pesquisar

 

subscrever feeds