Quarta-feira, 30 de Maio de 2007

"Indicador coincidente" para greve geral

O trânsito estava um pouco mais denso na entrada de Lisboa mas nada que não aconteça por vezes quando há um acidente. O que pode querer dizer isto como "indicador coincidente" da greve geral? Que a adesão foi elevada e que há um grande peso de serviços públicos em Lisboa?

 

Em cada greve destas apenas se expõe a dualidade do país. A greve geral é em regra a greve dos transportes e da administração pública.

 

Pois, no sector privado não se faz greve porque se tem... medo, dizem. Em muitas empresas privadas já se percebeu que é preferível negociar para atingir objectivos, especialmente se o equilíbrio de poderes é desfavorável ao trabalhador. E os sindicatos esqueceram isto.

Publicado por Helena Garrido às 15:06
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Contacto

helena_garrido@sapo.pt

Entradas recentes

...

FMI: muitas medidas, pouc...

Inflação e lei laboral

O adeus a Tony Blair

Flexisegurança, Portugal ...

O preço da (in)justiça so...

O maravilhoso mundo novo

Sarkozy e a vantagem de s...

Privatização da REN com p...

E assim se cumpriu o dest...

Temas

aeroporto

automóvel

banca

bce

bcp

conjuntura

desemprego

desigualdade

edp

educação

emprego

energia

flexisegurança

governo

inflação

media

ota

saúde

semana prevista

união europeia

todas as tags

Pesquisar

 

subscrever feeds